Pesquisar este blog

Translate

16 de jul de 2011

Colapso

As imagens que acompanhas esta postagem ilustram a que ponto se chega quando somos negligentes com o equipamento. E, neste caso, deixar de inspecionar o equipamento é a negligência.

Por pura sorte não ocorreu nada (comigo) quando da quebra deste guidão. Eu havia parado num cruzamento e, ao avançar, fiquei com metade do guidão na mão! Fosse outro o momento, as consequências poderiam ter sido graves: em alta velocidade, numa descida, em meio ao tráfego intenso de veículos...

Não cabe aprofundar as possíveis causas mecânicas, o fato é que a falta de atenção que o ciclista costuma ter com as partes não móveis da bicicleta pode vir a ser-lhe fatal. Independentemente do material do qual sejam feitos - alumínio (neste caso), aço, carbono, titânio, diamante... deve-se sempre proceder uma inspeção criteriosa de partes como quadros, canotes, avanços de guidão, guidões, garfos. Os indicativos de possíveis falhas são rachaduras e falhas na tinta - geralmente transversais ao maior esforço que a peça sofre. Nheco nhecos também podem ser indicativos de problemas.


A cor mais escura na parte inferior da seção indica que a falha já tinha idade antes de acontecer o colapso final



Tanto o freio quanto o trocador continuaram funcionado perfeitamente após o ocorrido, permitindo a condução da bici até o conserto 


Nota-se o modo como o metal colapsou no momento crítico, praticamente rasgando-se nos seus momentos finais - veja-se a parte superior da seção





Um comentário:

Phil disse...

Isso aconteceu comigo! porém minha bike tinha menso de 2 semanas da revisão geral =\

O guidão ficou da mesma forma! mas com saber que isto vai acontecer?