Pesquisar este blog

Translate

25 de jun de 2010

Minhas bikes - Dia-a-dia

Clique nas imagens para ampliar


Esta aqui é minha Monark "21 V", ano 2000 (? - outro dia posto a N.F. dela). Esta é minha bike do dia-a-dia. Quase toda original, troquei duas vezes corrente e catraca, sendo que o último conjunto já dura bem uns 6 anos. Além disso, quando se fez necessário aposentar o pneu traseiro, coloquei um "semi-slick".
Esta bici me satisfaz muito, pois é simples e funcional; não chama muita atenção (dos possíveis larápios) na rua, é bastante versátil e permite uma agilidade que minhas outras bikes não alcançariam.

Para aumentar o conforto, coloquei um canote com amortecimento, bem como um selim mais estofafo do que o original. Já tá bem surrado, como se percebe pelas feridas abertas, hehehehe!!! De compra, o canote original possuía uma blocagem, que troquei por uma abraçadeira de alumínio que evita qualquer furto, pois o conjunto canote amortecido + selin é certamente o que de mais valor há neste conjunto.


O trocador direito já foi "reconstruído" algumas vezes, sempre com peças comuns que tinha em casa, como parafusos e porcas. Uma boa
furadeira-parafusadeira também ajudou muito. Mesmo tendo quebrado uma ou duas vezes, mantem-se perfeitamente funcional.

"It´s hard, baby" Isso aí é uma gancheira traseira de alumínio com bons 8,5mm de espessura. À prova de qualquer eventualidade...


Muito se fala da qualidade da indústria ciclística nacional, e tals. Mas note-se a qualidade desta solda Tig, que ao menos na aparência, é muito bem feita.
A Geometria desta bicicleta é antiga, assim falando, pois ela é mais longa do que as bicicletas do tipo Mtb atuais. Isto torna ela muito estável, além de propiciar um rodar um pouco mais confortável para um quadro de alumínio.


Esta câmbio Shimano funciona tão bem como qualquer outro de linha superior. Não tenho do que me queixar. Nunca fiquei na mão, mesmo já tendo torcido corrente e dentes da coroa menor do pedivela. O primeiro problema resolvi removendo o elo torcido. O segundo, resolvi com um martelo e uma chave de fenda.

Os aros são a prova de desalinhamento. Em dez anos, nunca troquei um raios nem tive que centrar nenhuma das rodas.

Nenhum comentário: